O Papa Francisco afirmou neste sábado (26) que pretende criar uma espécie de departamento dedicado exclusivamente à região amazônica dentro do Vaticano. A decisão foi anunciada durante um encontro de encerramento do Sínodo dos Bispos sobre a Amazônia. O Papa também alertou contra “injustiças” cometidas na região. A área dedicada à Amazônia será um escritório dentro do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, atualmente sob os cuidados do cardeal ganês Peter Turkson. Ainda não está clara qual será a função desse novo departamento na Cúria Romana. Ainda neste sábado será divulgado o documento final do Sínodo, que foi aprovado após encontros que começaram no dia 6. “Na Amazônia aparece todo tipo de injustiça, destruição de pessoas, exploração de pessoas em todos os níveis. E destruição da identidade cultural”, disse Francisco, acrescentando que a dimensão ecológica nunca está separada das questões sociais. Francisco afirmou que pretende escrever – até o fim do ano – um documento com suas decisões após os debates do sínodo, a chamada “exortação apostólica pós-sinodal”. “Vai depender de quanto tempo eu tiver para pensar”, brincou o Papa. Consciência ecológica O Papa avalia que a consciência ecológica da Igreja vem crescendo ao longo dos últimos anos e uma das pessoas que mais a ajudaram foi o patriarca ortodoxo Bartolomeu, de quem Francisco é bastante próximo. Depois disso, com a encíclica “Laudato si’”, documento publicado pelo Papa poucos dias antes do Acordo de Paris, as bases do pensamento ecológico do catolicismo ficaram mais claras, diz ele. “Essa consciência ecológica vai em frente, e hoje nos denuncia um caminho de exploração compulsiva, de corrupção. A Amazônia é um dos pontos mais importantes disso. É um símbolo, eu diria” – Papa Francisco G1